Top Kids Fnac sem livros

Há muito tempo que não via isto assim: o top Kids Fnac desta semana não inclui um único livro nos 20 produtos mais vendidos.

Esta semana, no top constam apenas e só DVDs. Apenas e só DVDs de animação, para entreter as crianças em frente à TV.

Para ler, mais ainda nas férias grandes, não consta mesmo nada neste top. Nem umas Gémeas, nem um Banana, nem um Principezinho.

Dá que pensar.

Jim Carrey mantém vivo o filme sobre a extraordinária vida de Ripley’s

Em 2007,  Tim Burton era dado como o realizador do filme que iria tornar a fantástica vida de Robert Ripley, o cartoonista e criador dos programas de rádio e televisão Ripley’s Acredite se Quiser!, no Indiana Jones do “estranho”. Mas tal não aconteceu.

Em 2010 parecia que o sonho de milhões de fãs de Ripley’s Acredite se Quiser! voltava a ganhar forma quando foi anunciado que seria Chris Columbus a dirigir o filme. Uma vez mais, nada avançou.

Mas entre estas indecisões manteve-se sempre um denominador comum chamado Jim Carrey. Tem sido o conhecido actor quem tem mantido a chama acesa, tal é o desejo de se colocar no papel de Ripley, um homem fascinante que construiu um mundo à volta do bizarro e do inexplicável. (fonte)

Mundo esse que pode conhecer ao ler e ver (avisamos desde já que algumas fotografias são de arrepiar!) o livro Ripley’s Acredite se Quiser! – Ver Para Crer.

^

A BD de culto Scott Pilgrim, adaptada ao grande ecrã, estreia hoje nos cinemas portugueses

Não vais parar de rir! É garantido. E sabemos com conhecimento de causa. Na antestreia, ontem, as gargalhas foram mais do que muitas na sala n.º4 do cinema Zon do Colombo.

E mesmo que não tenhas conseguido ganhar bilhetes no nosso passatempo para assistir à antestreia, não desistas de ver o filme. O Scott Pilgrim está à tua espera. Mas antes, uma ideia… E mesmo que não tivéssemos sido nós a publicar os dois primeiros títulos da Banda Desenhada, iríamos dar-te este conselho à mesma.

Vale mesmo a pena, pelas referências e comparações positivas que ouvimos sussurrar pelas cadeiras do cinema, ler os livros antes de ver Scott Pilgrim no grande ecrã.

Boas leituras e bom cinema.

Pelo português claro

Acabei de descobrir o site portuguesclaro.pt. Já sabia do movimento plain language há uns anos e sou adepto dos seus objectivos. Por isso quero partilhar este site convosco. O site explica-se assim:

O que é o Português Claro?

É uma linguagem simples e directa que o leitor entende à primeira.

• Utiliza apenas palavras familiares
• Evita termos demasiado complexos e frases rebuscadas
• Apresenta a informação da maneira mais clara possível
• Deixa de fora tudo o que é desnecessário

Um documento escrito em Português Claro permite aos leitores:

• encontrar rapidamente o que procuram,
• perceber perfeitamente o que lêem,
• e usar essa informação com toda a facilidade.

Não é fácil escrever em português claro, tal como não é fácil escrever em português rebuscado, aquele que temos de decifrar nos contratos de letra miúda. Mas podemos pelo menos esforçar-nos. É o que fazemos na BOOKSMILE, de que um exemplo é a nossa garantia incondicional de satisfação e qualidade.

Quem podia também pelo menos esforçar-se era o Governo na próxima revisão da Lei do Preço Fixo do Livro. Esta lei está certamente no topo dos Lusíadas legais e origina tantas dúvidas de interpretação que é a própria lei que acaba sendo ignorada.

Um bom Estado das coisas

Gostaria de tirar publicamente o chapéu à DGIDC – uma direcção-geral do Ministério da Educação, por nos ter pago uma factura apenas 13 dias depois de lha termos enviado.

Se me dou ao trabalho de anotar o facto é porque, por preconceito, estava à espera do pior, por estar constantemente a ouvir notícias sobre o Estado mau pagador (ainda esta manhã: o Estado está a demorar 354 dias a pagar às farmacêuticas).

Agora que afinal também existe um Estado excelente pagador, alguma farmacêutica quer investir no negócio da edição de livros?